Apenas 39% dos consumidores pretendem presentear no Dia dos Pais

De acordo com pesquisa nacional da Boa Vista SCPC, realizado com quase dois mil consumidores, apenas 39% pretendem comprar presente neste Dia dos Pais. Aqueles que não darão presentes alegam falta de condição financeira, seguida do desemprego e da contenção de despesas, priorização de outros pagamentos ou gastos, redução do salário/poder de compra e aumento dos preços/inflação.

Entre os que vão comprar o presente dos pais, 66% pretendem gastar menos ou a mesma quantia (em 2016 eram 64%). Dos consumidores que pretendem gastar menos neste ano, 59% alegam a situação econômica do País, 17% a contenção de despesas, 15% a priorização de outros gastos, 7% a diminuição da renda e 2% outros motivos.

Presentes

A pesquisa mostra que a grande maioria (70%) irá presentear com roupas, calçados, perfumes e acessórios, 8% celulares, 5% com itens de informática e eletrônicos, 5% com almoço, viagem ou entretenimento e outros 12% com bebidas, ferramentas e outros itens pessoais.

O valor médio que o consumidor deve gastar com o presente do Dia dos Pais será de R$ 166,46, uma variação positiva de 53% em relação ao valor médio registrado em 2016 (R$ 108,40).

Quando perguntado aos pais o que gostariam de ganhar, percebe-se uma contradição com o que irá ganhar: 30% gostariam de ganhar almoço, viagem ou entretenimento, 24% itens como roupa, calçados e perfumes, 20% celulares, 19% itens como bebidas, ferramentas e outros tipos de presentes, e 7% itens de informática e eletrônicos.  

Varejo

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) prevê que, no Estado todo as vendas do comércio varejista devam atingir R$ 52,3 bilhões em agosto, mês do Dia dos Pais – crescimento de 7% em termos reais em relação ao mesmo mês de 2016. As projeções se referem às vendas totais do varejo no mês, não estando, necessariamente, embasadas somente no movimento decorrente da data comemorativa no período.

Alencar Burti, presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), comentou os fatores que devem contribuir para um saldo positivo nesta data. “Os juros vêm numa sequência de quedas e o Banco Central já sinalizou que haverá outros cortes de mesma magnitude. Isso é alentador não somente para o Dia dos Pais, mas também para outras datas comerciais que virão, como o Dia das Crianças, a Black Friday e o Natal. Além disso, a base fraca do ano passado precisa ser levada em conta”, comentou Burti. 


Informação: Redação Rádio CRN

Crédito da foto: Jornal do Comércio - Uol