Evento resgata história e entrega obras na Avenida 29 de abril

O dia 29 de abril tem grande importância histórica para Itatiba. Para comemorar a data, a Prefeitura de Itatiba realiza um evento, em parceria com comerciantes da avenida de mesmo nome, resgatando os acontecimentos que completam 130 anos e também entrega à população, diversas obras realizadas naquela região.

O Prefeito Douglas Augusto Pinheiro de Oliveira relembrou as chuvas que afetaram a região e o trabalho que se seguiu para minimizar a nova ocorrência. “A região do Mercadão e da 29 de abril foi muito castigada pelas enchentes de 2016. Tivemos todo o cuidado para realizar obras que diminuam a chance de que algo parecido volte a acontecer”, comentou. “Aliamos essas obras a uma data histórica, que merece maior atenção, abraçando também os lojistas e moradores da 29 de abril”, completou.

A comemoração inicia-se partir das 10 horas do domingo, 29 de abril. Na ocasião, o Mercado Municipal “Dona Lica” receberá apresentações culturais que remetem ao contexto histórico da libertação pioneira dos escravos em Itatiba, a Praça do Pito Aceso e o antigo “caminho para Jundiaí”.


AÇÃO CONTRA ENCHENTES

Também serão lembradas as obras de infraestrutura realizadas. Visando a prevenção de enchentes, a margem do Ribeirão Jacaré foi alargada na altura do Mercadão, quase duplicando sua vazão. Além disso, uma das cinco sondas de nível foi instalada naquela ponte, permitindo um monitoramento em tempo real do nível da água. No Mercadão, foram trocados forros dos banheiros e corredores, afastando pombas e melhorando a estética do local.

“Fizemos várias obras na região do Mercado Municipal, dando prioridade para o aumento de vazão das galerias de água pluviais, resolvendo um grande problema dos comerciantes no trecho inicial da 29 de abril. O aumento da vazão do ribeirão Jacaré segue esse raciocínio, com a construção de duas linhas de aduelas de concreto, reduzindo a probabilidade de alagamento na região”, avaliou o Secretário de Obras e Serviços Públicos, engenheiro Hermínio Geromel. “Vale lembrar que na última estação chuvosa não houve nenhum transtorno naquela região, o que mostra que estamos no caminho certo”, pontuou.



INCENTIVO AO COMÉRCIO LOCAL

Outra novidade na região é a abertura de um retorno para carros e outros veículos leves, que facilitará o acesso à Av. 29 de Abril para quem vem da Rua Luiz Scavone. A abertura desse retorno, controlado pelos dois semáforos da região, é um antigo pedido dos lojistas, que também aproveitarão a manhã para realizarem promoções e servir um café da manhã especial.

“A comemoração do 29 de abril é um desejo antigo de alguns comerciantes da rua, visando valorizar e reconhecer a importância desse importante eixo de Itatiba. Esta avenida aglutina três importantes segmentos: o de comércio e serviços, o de móveis, e o da produção rural, através do Mercado Municipal”, destacou Robson Ugliani, responsável pela Calçados Ugliani, uma das lojas da via. “Além de tradicionais famílias itatibenses, a Avenida 29 de abril concentra tradicionais estabelecimentos comerciais, como a banca do Sr Ercílio Zuiane, o restaurante Recanto Colonial, a loja de 1,99 A Mestiça, e a Calçados Ugliani, que completa 60 anos, dentre outras”, finalizou.

Por fim, haverá uma caminhada do Mercadão, passando pela 29 de abril, até a Praça Fiorindo Cogni, que foi revitalizada. Antes da reforma, o local passou também por alterações e ampliações nas galerias pluviais, de forma que toda a água de chuva, que desce do Alto de Fátima e Bela Vista, agora passa pela nova galeria e pelo córrego atrás das lojas, não afetando a avenida.



LIBERTAÇÃO DOS ESCRAVOS

Em 29 de abril de 1888, uma comissão de vereadores itatibenses antecipou-se a uma decisão que só seria assinada 14 dias depois pela Princesa Isabel: a Lei Áurea. Itatiba tornou-se, nesse dia, emancipada do Brasil Imperial e, por tabela, uma das primeiras cidades brasileiras (junto com Taubaté, Araras, Caconde e Franca) a abolir à escravidão e libertar os cerca de 2500 cativos das fazendas. 

Em homenagem a esse dia, a praça em frente ao Mercadão recebeu o monumento do “Pito Aceso”. De acordo com jornais da época, após libertos, os agora cidadãos livres “passaram a morar em casinhas humildes construídas ao longo da atual 29 de abril. Nos finais de tarde, sentavam-se à porta de suas casas para 'bater papo' e para fumar seu pito, uma espécie de cachimbo feito por eles próprios com taquara, no qual colocavam fumo picado e ficavam pitando”.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Itatiba
Fotos:Renato Junior/ PMI