POLÍCIA ESCLARECE CRIME EM MORUNGABA: Vendedora de cigarros pode ter sido morta por cobrança de dívida


De acordo com o site G1, a Polícia Civil de Jundiaí prendeu dois homens suspeitos de envolvimento no assassinato de uma mulher de Bragança Paulista (SP), no dia 12 de julho. Na época, Maria Cristina Franco Schmidt teve o corpo queimado dentro de um veículo. A empresa proprietária do carro acionou a segurança que faz o monitoramento dos veículos via GPS após perceber o desvio de rota. O carro foi encontrado na Estrada da Silva, próximo ao Centro de Morungaba. Quando os policiais chegaram ao local, o veículo ainda estava em chamas.





De acordo com o site G1, a Polícia Civil de Jundiaí prendeu dois homens suspeitos de envolvimento no assassinato de uma mulher de Bragança Paulista (SP), no dia 12 de julho. O corpo carbonizado da vítima foi reconhecido pela família no Instituto Médico Legal (IML).

Na época, Maria Cristina Franco Schmidt teve o corpo queimado dentro de um veículo. A empresa proprietária do carro acionou a segurança que faz o monitoramento dos veículos via GPS após perceber o desvio de rota.

O carro foi encontrado na Estrada da Silva, próximo ao Centro de Morungaba. Quando os policiais chegaram ao local, o veículo ainda estava em chamas.

Segundo a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí, a suspeita é que o crime seja latrocínio ou homicídio por não pagamento de uma dívida.

Câmeras de Vigilância

Câmeras de vigilância gravaram o carro usado por Maria, que trabalhava e vendia cigarros em uma tabacaria de Itatiba. Uma das imagens mostra um carro prata apreendido em Itatiba, que ajudou a chegar em Wilson de Jesus Neves Junior, dono de uma mercearia em Bragança Paulista. Ele foi preso temporariamente.

Ainda de acordo com a investigação, o comerciante preso tinha uma dívida de R$ 2 mil com a vendedora de cigarros. Um outro suspeito, Lucas Andrade de Batista, também foi preso. O rapaz tinha queimaduras pelo corpo.

O motivo real do crime ainda está sendo apurado. Os dois foram encaminhados ao Centro de Triagem em Campo Limpo Paulista.


Foto: Arquivo pessoal