Jornal das Sete

Das 07:00:00 às 08:00:00
Com: Eva Franco, Waldir Santos, Mané Roberto e Galvão Andreatta

Programa Debate terá como tema a Campanha da Fraternidade de 2019

A Campanha da Fraternidade 2019 será tema do Programa Debate desta quinta-feira, dia 7. Para falar sobre o tema “Fraternidade e Políticas Públicas” e o lema “Serás libertado pelo direito e pela Justiça”, foram convidados: Maycon Cristian Pedro (pároco e reitor da Basílica de Nossa Senhora do Belém) e Tarcísio Sperandio (pároco da Paróquia de Santo Antonio e Nossa Senhora Aparecida).

Não perca o Programa Debate. Apresentação do jornalista Mané Roberto e dos colaboradores Gilmar Kozlowski e Eduardo Cintra. As perguntas podem ser enviadas pelo e-mail crnitatiba@terra.com.br ou por telefone (11) 4524-0003 e 4524-1594 no horário do programa.

Debate nesta quinta-feira, das 16h às 17h30. Acompanhe este programa pelos 1.420 KHz-AM, através do site: www.crnitatiba.com.br e pelo aplicativo app (CRN- Central de Rádio e Notícias).

Segurança
O comandante da 2ª Cia da PM de Itatiba, Capitão Osvaldo Rodrigo Guarizo esteve no programa Debate do dia 28 de fevereiro, em que abordou questões relativas a segurança durante o Carnaval. Ele deu algumas dicas de prevenção e falou também sobre outras questões de sua área.

De acordo com Guarizo, para o tráfico de drogas a PM tem feito um grande trabalho de repressão. Do início de 2019 para cá já foram apreendidos quase 50 Kg de drogas no município, sendo que destes, 24 Kg foram em uma ocorrência na Itatiba/Morungaba e outros quase 25 Kg localizados em uma refinaria de drogas em Itatiba.
“Trata-se de uma grande quantidade de entorpecentes retirados das ruas. Eu digo que o tráfico só existe porque há consumidor. É ele quem financia o crime. Esse consumidor muitas vezes é estimulado pelos meios de comunicação que apóia a liberação das drogas como meio recreativo e que a repressão só gera violência. As consequências que o uso de drogas fazem dentro de uma família, isso a TV não mostra. Mostra aquele rapaz que usa drogas em uma festa porque não tem coragem de agir, não tem autoestima, não tem coragem de assumir suas atitudes e usa a droga para assumir uma personalidade que ele gostaria de ser/ter, então, faz uso de uma substância entorpecente ou de álcool para ser alguém que não é. Nenhum comércio se sustenta se ninguém for lá comprar”, disse o capitão.

Abordagem policial
O comandante da 2ª Cia também falou sobre como proceder diante de uma abordagem policial. “Muitas vezes a pessoa é abordada e antes do policial conversar com ela, já quer se explicar. O que a gente quer é que a pessoa colabore. Nenhuma pessoa é abordada aleatoriamente, mas somente quando há indícios que levaram os policiais há realizarem sua parada obrigatória, seja por uma atitude suspeita ou veículo suspeito ou outros motivos. Então, quando uma pessoa é abordada, colabore. Se ela não deve, o profissional apenas irá tirar a dúvida que ele precisa tirar e vai liberar a pessoa. Ela responderá algumas perguntas e pronto. Quando a pessoa se nega a responder as perguntas aí gera-se um atrito. O que a gente pede é colaboração. Quando for parado, obedeça, abaixe os vidros do veículo e o farol se for bloqueio, liga a luz interna se for noite, para que o policial olhe internamente e possa ver o que está acontecendo”, orientou.

Informação: Redação Rádio CRN
Foto: Reprodução